Notícias


Preço da cesta básica sobe em nove das 17 capitais pesquisadas pelo Dieese

05/10/2012


São Paulo – O valor da cesta básica no mês de setembro subiu em nove das 17 capitais pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). As maiores altas foram verificados em Florianópolis (5,23%), Belo Horizonte (3,23%) e Manaus (2,5%) e as quedas mais significativas ocorreram em Goiânia (-5,22%), Salvador (-3,34%) e Aracaju (-2,44%).

O maior valor para a cesta básica foi registrado em Porto Alegre (R$ 311,44), seguido por Florianópolis (R$ 310,92) e São Paulo (309,08). As cestas mais baratas foram encontradas em Aracaju (R$ 207,80), Salvador (R$ 217,71) e João Pessoa (R$ 233,26).

O acumulado entre janeiro e setembro deste ano apresentou variação positiva em todas as capitais pesquisadas. As altas mais significativas ocorreram em Florianópolis (18,47%), Fortaleza (15,6%), João Pessoa (14,21%) e Aracaju (14,04%), e as menores em Goiânia (1,39%) e Salvador (4,26%).

Nos últimos 12 meses, o custo médio da cesta de alimentos também cresceu em todas as capitais pesquisadas, com destaque para Fortaleza (22,44%), Vitória (20,48%) e Florianópolis (19,43%). Os menores aumentos foram verificados em Salvador (4,63%), Goiânia (8,07%) e Belém (11,30%).

Dos produtos pesquisados em todas as capitais no mês de setembro, o pão francês foi o que teve alta em maior número de regiões. O aumento ocorreu em 16 capitais e as variações mais expressivas foram registradas em Recife (7,61%), Natal (5,68%) e Belo Horizonte (3,99%).

O custo do arroz subiu em 15 localidades em setembro. As maiores altas foram vistas em Belém (15,82%), Rio de Janeiro (12,98%) e Curitiba (9,73%). As únicas retrações ocorreram em Goiânia (-2,07%) e Aracaju (-1,01%).

O óleo de soja também teve alta em 15 localidades. As maiores elevações foram verificadas em Goiânia (11,51%), Manaus (6,06%) e Belo Horizonte (5,57%). Em duas localidades - Belém e Salvador - houve estabilidade no preço do produto.

A carne bovina, produto de maior peso na cesta de alimentos, fechou setembro com alta em 13 capitais. As maiores elevações foram observadas em Vitória (7,85%), Belo Horizonte (6,47%) e Rio de Janeiro (4,59%). Mesmo com esses resultados no mês, no acumulado do ano o arroz ainda registra queda em 11 capitais. As retrações mais expressivas foram vistas em Goiânia (-15,54%), Belém (-7,98%) e Curitiba (-6,09%).

A batata registrou elevação em todas as nove localidades do Centro-Sul do país pesquisadas pelo Dieese, com variações de 10,97% em Goiânia e 52,25% em Porto Alegre. No acumulado do ano, os preços aumentaram em todas as capitais pesquisadas, com as altas oscilando entre 35,75% em Vitória e 89,12% em Belo Horizonte.

A farinha apresentou alta em 11 localidades. Em Natal, houve elevação de 15,94%, em Recife, alta de 15,33% e em Fortaleza, crescimento de 12,07%. Foram observadas retrações em Florianópolis (-5,99%), Goiânia (-2,46%) e Belo Horizonte (-0,91%). Em duas capitais, Aracaju e Brasília, os preços mantiveram-se estáveis.

O tomate, ao contrário do que ocorreu nos meses anteriores, foi o produto que apresentou queda no maior número de localidades (15 capitais). Os recuos mais expressivos foram vistos em Goiânia (-29,72%), Salvador (-24,52%) e Rio de Janeiro (-23,73%). As únicas altas foram verificadas em Florianópolis (22,29%) e Manaus (3,72%).

O preço do feijão caiu em oito localidades. As principais variações negativas deram-se em Goiânia (-9,50%), Aracaju (-9,35%) e João Pessoa (-4,90%). No Recife e no Rio de Janeiro, os preços permaneceram estáveis e em sete localidades houve aumento. As principais elevações no mês foram verificadas em Belo Horizonte (13,11%), Porto Alegre (3,58%) e Fortaleza (3,21%).

Todo mês, o Dieese estima o valor do salário mínimo necessário para a manutenção de um trabalhador e de sua família. Com base no custo da cesta básica para Porto Alegre, o menor salário pago deveria ser de R$ 2.616,41, o equivalente a 4,21 vezes o piso vigente, de R$ 622.

 

Edição: Lílian Beraldo




Notícias Anteriores


Turma reconhece dano moral em transporte de valores
Novo Termo de Rescisão será obrigatório em 15 dias
11ª. CONFERENCIA NACIONAL DOS VIGILANTES /2012
Ladrões usam serra para arrombar caixa eletrônico em Florianópolis
Mais de 40 mil professores atuam em escolas públicas de Santa Catarina
PM prende policiais envolvidos em desvio de malote
Federação estima que 1,5 milhão de seguranças estejam na clandestinidade
Trabalhadores jovens e idosos, duas faces da mesma moeda
Igualdade de gênero e trabalho na América Latina e Caribe
Brasil compartilha aprendizagem com o G-20

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38