Notícias


Direitos no trabalho são indispensáveis para a recuperação econômica

01/10/2012

GENEBRA (Notícias da OIT)


As normas internacionais do trabalho devem ser resguardadas e promovidas se queremos que o mundo se recupere da crise econômica e do emprego, advertiu o novo Diretor Geral da OIT, Guy Ryder.
Em sua primeira entrevista desde que assumiu a direção da OIT, Ryder reconheceu que a prioridade número um para os desempregados é encontrar um trabalho, mas acrescentou que a qualidade do emprego também é uma questão crucial, não somente para os indivíduos mas também para a economia mundial.
“Os direitos no trabalho são indispensáveis para a recuperação. Penso que não devemos deixar-nos guiar pela convicção de que criar mais empregos significa renunciar às normas internacionais do trabalho”, disse.
Ryder citou estatísticas que mostram que a metade dos lares pobres da Europa dependem de somente um trabalhador assalariado na família. Isto, declarou, enfatiza a importânciar de criar mais empregos de boa qualidade.
“As normas estabelecem as regras do jogo da economia mundial e constituem uma parte muito importante da saída desta crise”.
Com 200 milhões de pessoas desempregadas no mundo, as políticas nacionais e internacionais, afirmou Ryder, devem concentrar-se na criação de emprego como objetivo prioritário ao enfrentar a crise econômica mundial. Mas as soluções para a crise devem ser negociadas e acordadas como parte do processo de diálogo social.
“A OIT pode ser muito útil a este respeito. Quando as pessoas se reúnem para encontrar soluções que podem resultar dolorosas, representar algum sacrifício em seu nome, estão muito mais propensas a fazê-lo se participaram da busca de um acordo do que se forem simplesmente destinatários da decisão de outros”.
“Esta crise deve ser enfrentada na escala em que se apresenta, em nível global. Devemos desenvolver soluções globais. Ao final das contas, não haverá soluções sustentáveis a uma crise mundial”, acrescentou.
Emprego juvenil
Ryder referiu-se também à situação do desemprego juvenil e disse que os jovens devem receber atenção especial a fim de melhorar a crise mundial do desemprego juvenil. Atualmente, 75 milhões de jovens estão sem trabalho no mundo.
“A evidência demonstra que se um jovem permanece sem emprego por um ano ou mais ao começo de sua carreira, isso o afetará ao longo de toda a sua vida profissional. Para a maioria destes jovens não existe volta. De maneira que devemos atuar com urgência, devemos atuar agora e devemos concentrar-nos nos jovens”.
Os sistemas de abono para os jovens que oferecem experiência profissional ou fortalecem a formação devem ser explorados como uma das vias possíveis para enfrentar o problema, sugeriu o Diretor Geral da OIT.
“Parece caro? É acessível! É um investimento, não um custo. E uma das propriedades através das quais a OIT terá que dirigir sua atenção nos próximos meses e rapidamente, porque é uma emergência”, concluiu. 




Notícias Anteriores


3ª VT de Florianópolis condena Beiramar Shopping a indenizar vigilante acusado de fumar maconha durante serviço
Preço da cesta básica sobe em nove das 17 capitais pesquisadas pelo Dieese
PF em greve protesta em Brasília e confirma trabalho nas eleições domingo
Especialistas debatem: classe média ou nova classe trabalhadora?
Banco Central é multado por vetar vigilantes com o nome sujo
Outubro Rosa 2012
Justiça do Trabalho condena empresas por dispensa discriminatória
Inspetora do Metrô consegue escala especial para proteção à mulher
Rais revela redução do trabalho infantil
Direitos no trabalho são indispensáveis para a recuperação econômica

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38