Notícias


Brasil lidera mercado de segurança privada das Américas

27/09/2012


O Brasil lidera o mercado de segurança privada na América Latina, segundo estudo divulgado recentemente pela Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre o setor nas Américas. Ao detalhar a pesquisa, informa que o Brasil tem cerca de 2.900 empresas de segurança e um efetivo de 1.675.415 profissionais.

Para José Adir Loiola, presidente do Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp), é preciso analisar melhor os números, pois diferem do que é registrado no Brasil. “Não sabemos quais os tipos de empresas e profissionais estão contabilizados neste levantamento, pois os números divergem dos que temos da Polícia Federal, que controla o segmento”

De acordo com os dados oficiais brasileiros, o País possui atualmente cerca de 1.500 empresas de segurança privada e 540 mil vigilantes habilitados. Loiola ressalta que, mesmo com essa diferença, o estudo não erra ao apontar o potencial brasileiro para o mercado da segurança privada. “O Brasil é um dos poucos países que possuem a atividade regulamentada e fiscalizada e um dos únicos que geram tanto emprego na atividade”.

Em 2011, o Small Arms Survey, levantamento produzido anualmente por pesquisadores suíços, apontou o Brasil como o 5° maior mercado de segurança privada no mundo em número de vigilantes. Pelo estudo, o Brasil perdia apenas para a Índia (7 milhões), China (5 milhões), Estados Unidos (2 milhões) e Rússia (800 mil).

Perspectivas

Está em análise do Ministério da Justiça o Estatuto da Segurança Privada, projeto que propõe a atualização da lei vigente (7.102/83). Se aprovado, novas oportunidades de negócios e empregos formais podem surgir, já que o documento prevê a inclusão de ocupações que atualmente são exercidas de forma clandestina. A melhoria da grade curricular dos cursos de formação também está prevista no projeto.

Sesvesp – Fundado em 1988, trabalha como entidade sindical que congrega e representa as empresas de segurança privada, segurança eletrônica e dos cursos de formação e aperfeiçoamento de vigilantes no Estado de São Paulo. Trabalha para coibir a prestação de serviços por empresas informais, que somam cerca de um terço do total de companhias do segmento. Luta, também, para que seja aprovado o Projeto de Lei 4594/2004, em tramitação no Congresso Nacional, qualificando como crime a contratação de serviço de segurança privada clandestina, além da utilização de vigilantes sem treinamento e registro na Polícia Federal, que é o órgão público responsável pelo controle da segurança privada no Brasil.

 
Fonte: Max Press




Notícias Anteriores


Cresce 10,3% o número de trabalhadores que contribuem para previdência
MTE divulga novo Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho
Responsabilidade trabalhista em contratos de terceirização de serviços
Empresas devem garantir folgas para quem trabalhar nas eleições
Brasil lidera mercado de segurança privada das Américas
Bancos privados e BB retomam trabalho; na Caixa, greve continua
Mulheres eram a maioria dos desempregados no país em 2011
Governo estuda flexibilizar leis trabalhistas
Plenária Estadual Fevasc 2012
Centrais apresentam propostas para combater a alta rotatividade do mercado de trabalho

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37