Notícias


Brasil lidera mercado de segurança privada das Américas

27/09/2012


O Brasil lidera o mercado de segurança privada na América Latina, segundo estudo divulgado recentemente pela Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre o setor nas Américas. Ao detalhar a pesquisa, informa que o Brasil tem cerca de 2.900 empresas de segurança e um efetivo de 1.675.415 profissionais.

Para José Adir Loiola, presidente do Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp), é preciso analisar melhor os números, pois diferem do que é registrado no Brasil. “Não sabemos quais os tipos de empresas e profissionais estão contabilizados neste levantamento, pois os números divergem dos que temos da Polícia Federal, que controla o segmento”

De acordo com os dados oficiais brasileiros, o País possui atualmente cerca de 1.500 empresas de segurança privada e 540 mil vigilantes habilitados. Loiola ressalta que, mesmo com essa diferença, o estudo não erra ao apontar o potencial brasileiro para o mercado da segurança privada. “O Brasil é um dos poucos países que possuem a atividade regulamentada e fiscalizada e um dos únicos que geram tanto emprego na atividade”.

Em 2011, o Small Arms Survey, levantamento produzido anualmente por pesquisadores suíços, apontou o Brasil como o 5° maior mercado de segurança privada no mundo em número de vigilantes. Pelo estudo, o Brasil perdia apenas para a Índia (7 milhões), China (5 milhões), Estados Unidos (2 milhões) e Rússia (800 mil).

Perspectivas

Está em análise do Ministério da Justiça o Estatuto da Segurança Privada, projeto que propõe a atualização da lei vigente (7.102/83). Se aprovado, novas oportunidades de negócios e empregos formais podem surgir, já que o documento prevê a inclusão de ocupações que atualmente são exercidas de forma clandestina. A melhoria da grade curricular dos cursos de formação também está prevista no projeto.

Sesvesp – Fundado em 1988, trabalha como entidade sindical que congrega e representa as empresas de segurança privada, segurança eletrônica e dos cursos de formação e aperfeiçoamento de vigilantes no Estado de São Paulo. Trabalha para coibir a prestação de serviços por empresas informais, que somam cerca de um terço do total de companhias do segmento. Luta, também, para que seja aprovado o Projeto de Lei 4594/2004, em tramitação no Congresso Nacional, qualificando como crime a contratação de serviço de segurança privada clandestina, além da utilização de vigilantes sem treinamento e registro na Polícia Federal, que é o órgão público responsável pelo controle da segurança privada no Brasil.

 
Fonte: Max Press




Notícias Anteriores


Preço da cesta básica sobe em nove das 17 capitais pesquisadas pelo Dieese
PF em greve protesta em Brasília e confirma trabalho nas eleições domingo
Especialistas debatem: classe média ou nova classe trabalhadora?
Banco Central é multado por vetar vigilantes com o nome sujo
Outubro Rosa 2012
Justiça do Trabalho condena empresas por dispensa discriminatória
Inspetora do Metrô consegue escala especial para proteção à mulher
Rais revela redução do trabalho infantil
Direitos no trabalho são indispensáveis para a recuperação econômica
Cresce 10,3% o número de trabalhadores que contribuem para previdência

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37