Notícias


Programas de combate à violência contra a mulher devem ser institucionalizados em estados e municípios

17/09/2012


 

A secretária executiva da secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, Aparecida Gonçalves, afirmou que o maior desafio do país é tornar os serviços de proteção a mulher institucionalizados nos estados e municípios. Para ela, esses serviços não podem ser programas de um governo ou outro, mas sim de uma política nacional.

Outro ponto citado pela secretária é a destinação de recursos para essas políticas. Para este ano a secretaria conta com R$ 37 milhões que são distribuídos aos estados mediante convênios. Mas ela afirma que os estados e municípios devem destinar recursos próprios para os serviços.

A rede de enfrentamento à violência contra a mulher conta com aparatos como recebimento de denúncias [Ligue 180] e abrigo de mulheres que correm risco de morte [casas abrigo]. No entanto, o número de espaços destinados à proteção e ao acolhimento das vítimas atinge menos de 10% dos municípios. E muitas vezes as Delegacias Especializadas em Atendimento à Mulher, funcionam de forma precária e sem equipamentos adequados ao atendimento humanizado.

A secretária afirma que as prioridades do governo na destinação de recursos este ano foi para ampliação dos serviços especializados de proteção e atendimento às mulheres, como a implementação de novas casas abrigo e centros de referência, o que não exclui a preparação de novos servidores. “Até 2015, a meta do governo é aumentar para 30% o número de municípios com acolhimento a mulheres violentadas”, diz Aparecida.




Notícias Anteriores


Responsabilidade trabalhista em contratos de terceirização de serviços
Empresas devem garantir folgas para quem trabalhar nas eleições
Brasil lidera mercado de segurança privada das Américas
Bancos privados e BB retomam trabalho; na Caixa, greve continua
Mulheres eram a maioria dos desempregados no país em 2011
Governo estuda flexibilizar leis trabalhistas
Plenária Estadual Fevasc 2012
Centrais apresentam propostas para combater a alta rotatividade do mercado de trabalho
Fevasc apoia a luta dos bancários por reajuste decente, ampliação das conquistas e mais segurança nos bancos.
Mais de 2,5 mil caixas eletrônicos são destruídos pelo Brasil em três anos

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37