Notícias


Os bons resultados das negociações dos vigilantes e de asseio e conservação

24/02/2015





         A principal tarefa das entidades sindicais é chegar a um acordo na convenção coletiva que seja de interesse dos trabalhadores. Nas negociações de 2015, a FEVASC, em conjunto com os sindicatos, alcançaram os reajustes de 9,31% e 7,55% para as categorias de vigilância e asseio e conservação, respectivamente. Essas porcentagens significam aumentos salariais acima da inflação, ou seja, ganhos reais na renda do trabalhador, que contribuem para melhoria de vida e favorecem o crescimento da indústria, do comércio e dos serviços na economia catarinense.

Também neste ano, a negociação dos pisos salariais entre as centrais sindicais e as entidades patronais foi bem sucedida ao trabalhador e significou um aumento real médio de 2,4% sobre a renda de um número elevado de empregados catarinenses. A exemplo do que ocorre com o salário mínimo, o incremento de massa salarial proporcionado pelos novos valores dos pisos é direcionado ao consumo dos artigos de primeira necessidade como vestuário, alimentos e transporte, fortalecendo toda a economia do estado.

A negociação coletiva dos vigilantes e asseio/conservação representa um grande número de trabalhadores em Santa Catarina, e, consequentemente, representa boa parte da massa salarial presente na sociedade catarinense. Este fato reafirma a importância de sucessivas convenções bem sucedidas para a economia, já que os reajustes incrementam a massa salarial e possibilitam o aumento da atividade econômica na região. Os salários dos vigilantes, entre 2011 e 2015, conforme se pode visualizar na Tabela 1, aumentaram nominalmente 50,2%, obtendo um ganho real bastante expressivo no período, de 11,1%.

 

Tabela 1. Evolução das negociações dos vigilantes

DB - 1° fev

Vigilância

INPC até a data-base

Ganho real

Ano

Piso

Reajuste

2010

769,06

-

-

-

2011

822,89

7,00%

6,53%

0,44%

2012

901,06

9,50%

5,63%

3,67%

2013

956,93

6,20%

6,63%

-0,40%

2014

1.057,10

10,47%

5,26%

4,95%

2015

1.155,47

9,31%

7,13%

2,03%

Total

-

50,24%

35,30%

11,05%

Fonte: FEVASC

     

Elaboração: DIEESE

     

     A categoria de asseio e conservação também vem obtendo sempre ganhos reais nas suas negociações, conforme se pode observar na Tabela 2. Nota-se que os reajustes salariais desde 2011 acumulam reajustes acima da inflação e, em alguns anos, o ganho real foi bastante expressivo, com destaque para 2012 (que incorporou aos salários o adicional de periculosidade) e 2013, quando o ganho real foi acima de 50% da inflação verificada no período. Os ganhos reais acumulados do pessoal de asseio e conservação, entre 2011 e 2015, atingiram 15,9%.

   

Tabela 2. Evolução das negociações dos trabalhadores em asseio e conservação

DB - 1° jan

Asseio e Conservação

INPC até a data-base

Ganho real

Ano

Piso

Reajuste

2010

587,00

-

-

-

2011

633,96

8,00%

6,47%

1,44%

2012

716,00

12,94%

6,08%

6,47%

2013

787,60

10,00%

6,20%

3,58%

2014

850,61

8,00%

5,56%

2,31%

2015

914,83

7,55%

6,23%

1,24%

Total

-

55,85%

34,50%

15,87%

Fonte: FEVASC

     

Elaboração: DIEESE

     

 

 




Notícias Anteriores


LEI No 13.136 - Dia Nacional do Vigilante! Parabéns a todos (as) trabalhadores (as) Vigilantes!
Terceirização é importante para cadeia produtiva horizontal
MTE publica Portaria sobre prorrogação de jornada em atividade insalubre
Comunicado de Expediente
Trabalhadores terceirizados da UFSC param por salários atrasados
Trabalhadores terceirizados da UFSC param por salários atrasados
Feliz dia a todas as mães! Deus abençoe e proteja as mães trabalhadoras do nosso Brasil!
1º de Maio dia do Trabalhador (a)! Muito temos a refletir!
Diretores da FEVASC participam do MOVIDA
Concluída votação da regulamentação da terceirização; texto segue para o Senado Federal

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38