Notícias


Terceirizada que atuava como servidora do Procon vai receber indenização de R$ 70 mil

20/02/2015


A juíza da 7ª Vara do Trabalho de Florianópolis, Zelaide de Souza Philippi, condenou o Procon e a empresa de prestação de serviços Ondrepsb a pagarem, juntas, um total de R$ 70 mil em dívidas trabalhistas a uma trabalhadora terceirizada que comprovou ter atuado por seis anos como se fosse servidora pública do órgão estadual.

Contratada em 2005 como recepcionista, a funcionária não só realizava o atendimento inicial aos consumidores insatisfeitos, mas também fazia a intermediação junto às empresas reclamadas e tinha autonomia para abrir e movimentar os processos administrativos, o que levou a magistrada a considerar o caso como “verdadeira terceirização ilícita” das atividades inerentes aos servidores públicos.

“Até mesmo o seu crachá de identificação não era da sua empregadora e sim do Procon”, destaca a juíza, “dando a falsa ilusão ao consumidor que estava sendo atendido por um servidor público com todas os requisitos para a investidura e responsabilidades funcionais. A irregularidade era tanta que alguns terceirizados chegavam a presidir a audiência de conciliação”, observa.

Mesmo apontando a ilicitude do contrato, a juíza reconheceu à trabalhadora, que recebia mensalmente R$ 549, o direito a isonomia salarial em relação à remuneração dos técnicos concursados, que ganhavam salário quatro vezes maior (R$ 2.300) para realizarem as mesmas atividades. A condenação também alcança os valores referentes ao FGTS.

Por entender que a funcionária também se beneficiou da irregularidade, trabalhando no serviço público sem se submeter a concurso público, a magistrada indeferiu os pedidos de pagamento de horas extras, horas de intervalo e outras verbas, como o adicional de assiduidade, além de todas as verbas rescisórias.

Na sentença a juíza ressalta que, além de precarizar os direitos dos trabalhadores, a terceirização ilícita provoca uma série de outros danos à sociedade e pode manchar a imagem do serviço público, fazendo com que o cidadão se sinta “enganado” e impedido de fiscalizar os servidores. O caso foi comunicado ao Ministério Público do Trabalho, que vai investigar se outros funcionários do Procon estão na mesma situação.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação Social - TRT-SC
Direção (48) 3216-4320 - Redação 3216-4303/4306/4348




Notícias Anteriores


Diretores da FEVASC marcaram presença na mobilização do DIA 13 DE MARÇO – DIA NACIONAL DE LUTA EM DEFESA
Diretores da FEVASC estiveram presente! UGTSC e demais Centrais Sindicais protestam em Florianópolis
Mudanças trabalhistas entraram em vigor
Caged mostra melhora do emprego na indústria
Em 2014, 66 pessoas morreram em assaltos envolvendo bancos
Acordo põe projeto sobre terceirização na pauta da Câmara
Feliz dia 8 de Março! Dia Internacional das Mulheres!
Presidente da Fevasc com a Deputada Ana Paula e protetores na defesa de projetos contra maus tratos aos animais e garantia de emprego aos Vigilantes.
Os bons resultados das negociações dos vigilantes e de asseio e conservação
Os vigilantes aprovaram em assembleia o reajuste salarial

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37