Notícias


Ministro do Trabalho apoia direito à greve

20/02/2015


O ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, ratificou, na quarta-feira (18), em Brasília, o apoio do governo brasileiro à luta dos trabalhadores pelo reconhecimento do direito de greve. 

 

Ele esteve reunido com representantes das centrais sindicais, ligadas à Confederação Sindical Internacional (CSI), que estão empenhados no reconhecimento do direito de greve como um instituto do Direito Internacional, no âmbito do debate que se desenvolve sobre a matéria na Comissão de Normas da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Em nome da União Geral dos Trabalhadores (UGT), esteve presente à reunião, o vice-presidente da entidade Lourenço Prado.

 

Os trabalhadores são favoráveis a levar o assunto ao Tribunal Internacional de Haia caso o consenso não seja alcançado na OIT. O questionamento levantado pelo bancada patronal, em 2012, é de que o direito de greve não estaria amparado pela Convenção 87 da OIT, que trata da liberdade de organização sindical. O impasse na Comissão de Normas já dura dois anos. 

 

Na próxima segunda-feira (23) haverá uma reunião tripartite em Genebra, sede de da OIT, para mais uma rodada de negociações na tentativa de avançar na busca de um consenso possível sobre o assunto. Para Manoel Dias, o governo brasileiro reconhece o direito de greve como parte do direito internacional.

 

“Em muitos casos, a greve é a única arma que resta ao trabalhador para fazer valer os seus direitos. A defesa desse direito tem o nosso total apoio”, explicou o ministro.

 

Ele lembrou que, em meio a crise internacional, estabelecida desde 2008, a luta de classes tem ganhado força e levado a esse tipo de debate, que ameaça direitos adquiridos dos trabalhadores. 

 

As organizações dos trabalhadores, segundo o representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da OIT e secretário de Relações Internacionais da Central Única do Trabalhadores (CUT), Antonio Lisboa, temem que o debate sobre o direito de greve seja o ponto de partida para o questionamento de outros direitos conquistados internacionalmente pelos trabalhadores.

 

Também participaram, pelas centrais sindicais, o secretário de relações internacionais da Força Sindical, Nilton Souza Silva, Carlos Alberto Azevedo, presidente da Confederação Nacional dos Profissionais Liberais e Ruth Monteiro, secretária de cidadania da Força Sindical.

 

Fonte: UGT




Notícias Anteriores


Diretores da FEVASC marcaram presença na mobilização do DIA 13 DE MARÇO – DIA NACIONAL DE LUTA EM DEFESA
Diretores da FEVASC estiveram presente! UGTSC e demais Centrais Sindicais protestam em Florianópolis
Mudanças trabalhistas entraram em vigor
Caged mostra melhora do emprego na indústria
Em 2014, 66 pessoas morreram em assaltos envolvendo bancos
Acordo põe projeto sobre terceirização na pauta da Câmara
Feliz dia 8 de Março! Dia Internacional das Mulheres!
Presidente da Fevasc com a Deputada Ana Paula e protetores na defesa de projetos contra maus tratos aos animais e garantia de emprego aos Vigilantes.
Os bons resultados das negociações dos vigilantes e de asseio e conservação
Os vigilantes aprovaram em assembleia o reajuste salarial

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37