Notícias


Debate expõe divergências sobre regulamentação do trabalho terceirizado

19/09/2013

Presidente considera assunto urgente e diz que este será o último debate na Câmara sobre o tema antes da votação da matéria


Os debates na comissão geral sobre o projeto de lei que regulamenta o trabalho terceirizado no Brasil (PL 4330/04, do deputado Sandro Mabel (PMDB-GO), nesta quarta-feira (18), mostraram as divergências em torno da matéria, que já vem sendo discutida há nove anos pelos deputados. O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, afirmou que o Congresso precisa regulamentar urgentemente a terceirização e informou que este será o último debate antes da votação da matéria pelo Plenário, “que deverá ocorrer em breve”.

De acordo com Alves, o processo de terceirização é irreversível no Brasil e no mundo. Para ele, a regulamentação não pode atender a nenhuma posição radical – seja dos empregadores ou dos trabalhadores. O presidente destacou ainda que a regulamentação deve respeitar os valores sociais do trabalho e a livre iniciativa. Ele lembrou que mais de 30 projetos sobre o tema tramitam na Câmara e mais de 30 audiências públicas sobre o assunto já foram realizadas na Casa.

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Comissão Geral sobre o Projeto de Lei que regulamenta o trabalho terceirizado no Brasil (PL 4330/04). Dep. Sandro Mabel (PMDB-GO)
Mabel: proposta protegerá 15 milhões de trabalhadores terceirizados no País.

Solução para precarização
Para o autor do PL 4330/04, deputado Sandro Mabel, e para o relator da matéria, deputado Arthur Oliveira Maia (PMDB-BA), a proposta protegerá os 15 milhões de trabalhadores terceirizados em todo o País. Segundo eles, hoje há precarização no trabalho terceirizado porque não existe regulamentação. Maia destacou que acolheu mais de 20 emendas dos trabalhadores e do governo ao projeto.

O vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Alexandre Furlan, e outros representantes dos empregadores defenderam a proposta. Conforme Furlan, a terceirização é uma forma moderna de organização das atividades econômicas, e não vai deixar de existir. Na visão dele, a falta de legislação não é benéfica nem para trabalhadores nem para empregadores, e a regulamentação trará mais segurança jurídica para as relações trabalhistas.

Representantes de sindicatos de trabalhadores terceirizados também defenderam a regulamentação. “Caso uma proposta nesse sentido não seja aprovada, vamos continuar sem nenhuma segurança ou garantia para os terceirizados”, disse o presidente do Sineepres (Sindicato dos Empregados em Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros do Estado de São Paulo), Genival Beserra Leite.

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Comissão Geral sobre o Projeto de Lei que regulamenta o trabalho terceirizado no Brasil (PL 4330/04). Participante, Wagner Gomes
Gomes: empresas terceirizadas pagam 60% do salário dos outros trabalhadores.

Mais precarização
Porém, representantes das principais centrais sindicais brasileiras criticaram a proposta, afirmando que ela trará ainda mais precarização no trabalho. “A principal característica das empresas terceirizadas é pagar aos terceirizados 60% do salário dos outros funcionários e menos benefícios”, disse o secretário-geral da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Wagner Gomes. O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, pediu a retirada de pauta do projeto, para que as negociações prossigam.

As centrais sindicais criticaram especialmente o fato de o substitutivo de Arthur Maia permitir a contratação de serviços terceirizados nas chamadas atividades-fim das empresas - embora o relator não use esse termo. O presidente da União Geral dos Trabalhadores, Ricardo Patah, pediu a exclusão desse dispositivo e defendeu que só haja terceirização nas atividades-meio, conforme o entendimento atual do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Cautela
Para o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, Manoel Messias Nascimento Melo, resolver o problema da falta de regulamentação não pode significar tirar todos os limites para a terceirização. “O centro da questão é: nós vamos fazer uma mudança radical nas relações que temos hoje na CLT e na Constituição, permitindo a terceirização da atividade-fim?”, questionou.

Ele recomendou cautela aos parlamentares na análise do projeto. “O Brasil deve perseguir relações de equilíbrio entre empregadores e trabalhadores, permitindo ao mesmo tempo a criação de empresas competitivas e de empregos de qualidade”, afirmou. “Esse equilíbrio só é possível se houver entidades sindicais fortes, sem fragmentação dos trabalhadores”, completou.

Participação popular
O debate da comissão geral contou com a participação da sociedade. 260 pessoas entraram na sala interativa do portal e-Democracia e 62 participaram ativamente do debate; outras 23 mandaram suas dúvidas e comentários pelo Disque-Câmara (0800.619619). Todas as manifestações (perguntas e comentários) foram divulgadas ao vivo pela TV Câmara e serão encaminhadas aos deputados. Veja o histórico do bate-papo.




Notícias Anteriores


Vítima de tentativa de assalto quando transportava valores vai receber indenização
Aprovado reajuste para categoria do Asseio e Conservação
Mercado formal gerou 1,1 milhão empregos em 2013, diz Caged
Bradesco indenizará gerente que transportava valores e foi demitido após assalto
VII festa de confraternização do Sinvac Lages e Região
Feliz Natal e Próspero Ano novo! São os votos da Diretoria da Fevasc.
Empresas de segurança são multadas em 538 mil pela Polícia Federal
Sindicalistas homenageiam Ministro Manoel Dias pela assinatura da NR- 16 e agradecem a UGT por todo apoio recebido.
Manoel Dias assina portaria que regulamenta periculosidade para vigilantes
A cada duas horas uma mulher é morta no Brasil, diz secretário do Ministério da Justiça.

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38