Notícias


Mais de 2 milhões morrem por ano vítimas de doença do trabalho, diz OIT

25/04/2013

Relatório aponta problemas pulmonares como os maiores vilões.
Acidentes são responsáveis por 321 mortes, segundo estudo


Um estudo divulgado nesta terça-feira (23) pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) indica que mais de 2 milhões de pessoas morrem por ano, no mundo, em consequência de doenças relacionadas ao trabalho. Ainda segundo o estudo, 321 mil pessoas morrem vítimas de acidentes de trabalho.

Ainda de acordo com o estudo, 317 milhões de acidentes laborais não mortais ocorrem a cada ano. Isto significa que a cada 15 segundos, um trabalhador morre de acidentes ou doenças relacionadas com o trabalho, e também a cada 15 segundos, 115 trabalhadores sofrem um acidente laboral.

Entre os principais problemas estão as doenças pulmonares causadas pela inalação de partículas de silício, carbono e amianto. Na China, esta enfermidade, segundo o estudo, atinge 80% dos casos. Na índia, cerca de 10 milhões de trabalhadores em minas apresentaram problemas por inalação de silício. No Brasil, o estudo aponta que 6,6 milhões de trabalhadores estão expostos a estas substâncias tóxicas.

O estudo aponta ainda que os transtorsnos musculoesqueléticos e mentais (TME) atingem principalmente os trabalhadores da Europa. As empresas enfrentam o assédio cada vez mais psicológico, assédio moral, assédio sexual e outras formas de violência psicológica. Para lidar com o estresse, os trabalhadores às vezes adotam comportamentos pouco saudáveis, como o abuso do álcool ou o uso de drogas, o que pode desenvolver doenças psíquicas como a depressão ou a dependência química.

Para a OIT, a ausência de uma prevenção adequada das enfermidades profissionais tem profundos efeitos negativos não somente nos trabalhadores e suas famílias, mas também na sociedade devido ao enorme custo gerado, particularmente no que diz respeito à perda de produtividade e a sobrecarga dos sistemas de seguridade social. A prevenção é mais eficaz e tem menos custo que o tratamento e a reabilitação. Todos os países podem tomar medidas concretas para melhorar sua capacidade de prevenção das enfermidades profissionais ou relacionadas com o trabalho.

 

Fonte: G1




Notícias Anteriores


Mercado formal gerou em abril 196.913 empregos com carteira assinada no país
Investigação vai apurar denúncia de vigilância particular por policiais e agentes
MTE divulga balanço de trabalhadores resgatados em 2012
Salário mínimo deveria ser de R$ 2.892,47 para suprir despesas em abril
Entidades se unem pela formação e qualificação profissional
Intervalo intrajornada concedido parcialmente acarreta o pagamento total do período
Empresa de vigilância é multada por não contratar aprendizes
Memória - 1º de Maio
Fevasc e Sindicatos participam do MOVIDA 2013
TST determina aumento de vagas na Protege destinadas a portadores de deficiência

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38