Notícias


Ato Público do Movida acontece em Criciúma

20/03/2013

Manifestação anual feita pelo Movimento em Defesa da Saúde, Segurança e Qualidade de Vida da Classe Trabalhadora está agendado para o dia 25 de abril


Criciúma será o município sede do próximo Ato Público do Movida (Movimento em Defesa da Saúde, Segurança e Qualidade de Vida da Classe Trabalhadora Catarinense), marcado para as 14 horas do dia 25 de abril. A decisão sobre o local do Ato aconteceu durante reunião das entidades que compõem o Movimento, realizada dia 14 à tarde, na Fetiesc, em Itapema. Representantes de diversas centrais sindicais estiveram presentes a reunião como Força Sindical, NCST, UGT e CTB, além da Fetiesc e vários Sindicatos de Santa Catarina, como Sinergia e Sindaspi. A organização do Ato Público também ficará a cargo do Fórum Sindical dos Trabalhadores de Criciúma e Região. Santa Catarina é o estado que mais acomete os trabalhadores a acidentes e doenças do trabalho e o sul do estado, em particular, onde existe o maior número destas ocorrências.

Reunião que aconteceu na sede da FETIESC em Itapema-SC

Reunião que aconteceu na sede da FETIESC em Itapema-SC

O presidente da Fetiesc, Idemar Antônio Martini, atribui ao Movida toda a articulação pela criação da Frente Parlamentar em Defesa da Saúde do Trabalhador, na Assembleia Legislativa, cujo presidente é o deputado Neodi Saretta (PT), e pela assinatura do Protocolo de Intenções do Programa Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho, no Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, dia 30 de outubro de 2012. Naquela ocasião, assinaram o Protocolo a desembargadora Gisele Pereira Alexandrino, representantes da Associação Comercial e Industrial de Florianópolis (Acif), da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), além do presidente da Fetiesc. “Esses são os últimos efeitos mais importantes dos atos públicos promovidos pelo Movida”, reforça Idemar Martini. O Movida estará representado em todas as Audiências Públicas a serem realizadas pela Frente Parlamentar, a começar por Jaraguá do Sul, marcada para as 19 horas do dia 28 de fevereiro, no Sindicato dos Trabalhadores do Vestuário (Francisco Fischer, 60).

O representante da UGT, Moacir Rubini, reiterou que a questão da saúde e segurança do trabalhador “está no planejamento permanente da Central” e propôs a definição de um calendário de atividades para 2013. Já o diretor da NCST, Ednaldo Pedro Antônio insistiu na necessidade de envolver os mandatos políticos nos atos do Movida, enquanto o representante da Força sindical, Luiz Bittencourt reforçou que a Central é parceira e defendeu a estruturação do Instituto Movida. Comissão formada por dois representantes de cada Central Sindical e das demais entidades integrantes do Movida deve agendar reunião com a Frente Parlamentar em Defesa da Saúde do Trabalhador, para a próxima semana. Uma das maiores reclamações do Movimento é de que o tema Saúde e Segurança está sempre presente nas pautas de negociações coletivas das entidades sindicais mas não é debatido pelos patrões, assim como criticaram a inoperância dos Cerest’s (Centros de Referência em Saúde do Trabalhador), do governo do estado.

O assessor de Formação da Fetiesc e um dos fundadores do Movida, há 11 anos, professor Sabino Bussanello, lembrou do significado histórico do Movimento: “Atingimos o estado de Santa Catarina com as nossas manifestações e o movimento sindical deve pautar o tema nas negociações, mais do que nunca, nesse momento histórico da economia brasileira, de pleno emprego”, defendeu Sabino, citando três frentes prioritárias de atuação pela melhoria da qualidade de vida da classe trabalhadora: “Mobilizar a sociedade para mudar o processo de produção do trabalho, exigir que os empresários façam a sua parte e pressionar o Estado em seus três níveis, Judiciário, Legislativo e Executivo para a defesa da saúde e qualidade de vida da classe trabalhadora”. As lideranças presentes destacaram ainda, a importância de buscar o envolvimento de todas as organizações sindicais e da sociedade civil na construção da luta em prol da saúde e segurança da classe trabalhadora catarinense.

Fonte: Fetiesc




Notícias Anteriores


Aconteceu o Curso de Homologação em Joaçaba
Curso sobre homologação de contrato de trabalho é realizado em Jaraguá do Sul pela FEVASC.
Mercado formal gerou em abril 196.913 empregos com carteira assinada no país
Investigação vai apurar denúncia de vigilância particular por policiais e agentes
MTE divulga balanço de trabalhadores resgatados em 2012
Salário mínimo deveria ser de R$ 2.892,47 para suprir despesas em abril
Entidades se unem pela formação e qualificação profissional
Intervalo intrajornada concedido parcialmente acarreta o pagamento total do período
Empresa de vigilância é multada por não contratar aprendizes
Memória - 1º de Maio

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38