Notícias


Empresas crescem 20% ao ano com segurança privada

09/01/2013





crescimento de 25%, faturamento de R$ 1,4 bi e metas ambiciosas para chegar ao exterior

Grandes grupos do setor como Protege e Verzani almejam expansão em mercados dentro e fora do Brasil.

O mercado de vigilância privada no Brasil tem crescido de forma constante e com ele crescem também as empresas. Por ano, segundo dados do Sindicato das Empresas de Segurança do Estado do Rio de Janeiro, o setor movimenta R$ 11 bilhões no país.

O grupo Protege, localizado na capital paulista, é um bom exemplo desse aquecimento do setor, já que nos últimos três anos vêm sustentando crescimento anual na casa dos 25%.

A companhia tem no mercado paulista cerca de 30% de sua receita, que neste ano deve chegar a R$ 1,4 bilhão, incluindo todas as empresas do grupo. Mas no horizonte da empresa, ainda há espaço para expansão.

"Nosso plano é crescer 20% em 2013 e 2014", explica Mário Baptista de Oliveira, diretor-geral do Grupo Protege.

Para isso, a companhia estuda atuar no extremo Norte do Brasil e também em regiões do Nordeste onde ainda não está presente.

"Estamos de olho, mas esses locais ainda têm pouca demanda por segurança industrial", explica o executivo. Atualmente, além das empresas privadas, os bancos e órgãos governamentais estão entre os principais clientes da empresa, que conta com uma carteira de aproximadamente 300 contas.

A Verzani Sandrini, que já atua nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, já está investindo no mercado nordestino, especialmente no Recife (PE).

"Essa região vem atraindo grandes investimentos industriais e comerciais e a demanda por segurança privada cresce, juntamente com os empreendimentos", explica Ademar Pereira Barbosa, diretor de operações da empresa.

A companhia, que tem entre seus clientes empresas de grande porte e shoppings centers, tem 25 mil funcionários e cerca de 7 mil vigilantes.

A estimativa da companhia é crescer cerca de 20% nos próximos anos, em ritmo semelhante ao da Protege. A companhia, que foi uma das escolhidas para fazer a segurança durante o sorteio das chaves de times para a Copa das Confederações, também pretende participar da licitação para a Copa de 2014.

Além das fronteiras

Já a Protege não descarta expandir sua atuação em mercados vizinhos, por meio de aberturas de bases ou aquisições. Oliveira revela que o grupo vem avaliando alguns mercados como Argentina, Chile e Peru.

"Estamos apenas estudando esses países, não temos nada concreto, mas o Chile é um dos que mais nos interessa", diz.

Apesar das pretensões de expansão internacional, o executivo explica que o principal mercado da companhia é o brasileiro. "Esses demais mercados da América do Sul são infinitamente menores que o nosso", diz.

Na opinião de João Palhuca, vice-presidente do Sindicato das Empresas de Segurança do Estado de São Paulo (Sesvesp), o mercado de segurança privada no Brasil poderia crescer entre 7% e 10% ao ano, se o custo Brasil não fosse tão oneroso e se os governos estaduais e federais desonerassem o setor de serviços.

"Se tivéssemos economia mais aberta, respeito à propriedade privada, o setor de serviços teria crescimento acima do PIB", diz.

 
Fonte: Brasil Econômigo




Notícias Anteriores


II Plenária Nacional dos Vigilantes
Está confirmada a II Plenária Nacional dos Vigilantes
7ª Marcha por Desenvolvimento, Cidadania e Valorização do Trabalho.
Supremo garante aviso prévio proporcional anterior à lei de 2011
Brasil é o quinto país que mais contrata
TST mantém condenação de município por falta de fiscalização de contrato
Turma garante pagamento dobrado de feriados trabalhados em escala de 12X36
Novo TRCT já é obrigatório
Documentário 20 anos de batalha em defesa do adicional de periculosidade para vigilantes
Em memória dos mortos de Santa Maria

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38