Notícias


PF para e atende só casos de emergência

10/08/2012


PF para e atende só casos de emergência
 

A paralisação de agentes da Polícia Federal, que começou ontem em todo o país, afetou o atendimento ao público na delegacia de Itajaí. Somente casos de emergência são encaminhados aos agentes que estão trabalhando. Os grevistas mantêm 30% do efetivo em operação.

Os principais serviços afetados são a emissão de passaportes, certidões de uso de produtos químicos controlados, fiscalização de empresas de segurança privada, registro de armas, concessão de porte de armas e atendimento a estrangeiros. A expectativa é de que a paralisação possa, também, impactar os trabalhos nos portos da região, já que cabe à Polícia Federal autorizar a entrada de estrangeiros e liberar a saída de navios. Para o representante de Itajaí do Sindicato dos Policiais Federais de Santa Catarina, Rafael Firpo, a greve é por tempo indeterminado.

– Até lá, quem procurar a Polícia Federal e tiver urgência comprovada, será atendido. Para casos como passaporte de urgência, registro de estrangeiros ou cadastro de empresas de segurança privada, vamos atender.

Os agentes querem a reestruturação de salários e de carreiras. O Brasil tem 6,5 mil agentes, 2 mil escrivães e 700 papiloscopistas, conforme dados da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef). O salário-base de agente é de R$ 7.514 e delegado varia entre R$ 13.368 e R$ 19,7 mil.

Em Itajaí, as greves de outras outras categorias afetam as operações no porto. A paralisação dos servidores a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Receita Federal e Ministério da Agricultura prejudica a liberação de cargas.

Ontem, a Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) obteve liminar da Justiça Federal, para garantir que os auditores da Receita realizem o desembaraço aduaneiro.

 
Fonte: Diário Catarinense




Notícias Anteriores


SEMINÁRIO Trabalho Infantil, Aprendizagem e Justiça do Trabalho
Movimento sindical de Santa Catarina coleta assinaturas pelo Piso Estadual
FEVASC participa de discussão sobre o reajuste do Piso Salarial Estadual
Salário mínimo deveria ser de R$ 2,5 mil, diz Dieese
Congresso recebe projeto do Orçamento com mínimo de R$ 670 para 2013
Campanhas do primeiro semestre registram 97% dos acordos com aumento real
Concessão do seguro-desemprego observa novas regras
UGT/SC Lidera Número de Entidades Filiadas
Julho registra abertura de 142.496 novos empregos com carteira assinada
Comvite para discussão dos Pisos Estaduais

Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39